AGRONORDESTE: CEARÁ JÁ TEM 65 TURMAS FORMADAS

O AGRONORDESTE – Assistência Técnica e Gerencial – plano de ação do Governo Federal, criado para impulsionar o desenvolvimento econômico e social sustentável do meio rural da região, lançado no final do segundo semestre de 2019,  pela Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, Tereza Cristina, está em  fase de implantação adiantada  no Estado do Ceará. Através de um esforço conjunto do Sistema FAEC/SENAR e dos Sindicatos Rurais, já estão formadas 65 turmas, com 30 produtores por turma, atendendo sete cadeias produtivas.

Nestes grupos, o SENAR aplicará ações de Assistência Técnica e Gerencial – ATeG – metodologia adotada pela Instituição – e outras atividades que deram início em março. Cada grupo de produtores é atendido por um técnico de campo, com o apoio de um supervisor para doze técnicos, informa o Superintendente do SENAR-AR/CE, Sérgio Oliveira.  Ele disse que já foram realizadas capacitações de mais de setenta profissionais e o credenciamento de novos  técnicos continua aberto, pois, até junho deste ano, serão formadas um total de 144 turmas, totalizando 4.320 produtores assistidos.

No Ceará, as cadeias produtivas selecionadas foram: avicultura, apicultura, bovinocultura de leite, carcinicultura, caprinovinocultura, fruticultura e piscicultura. A mobilização dos grupos de produtores foi realizada pelos Sindicatos Rurais, de acordo com a vocação dos municípios.

 

SOBRE O AGRONORDESTE

O programa  está sendo implantado no biênio 2020/2021, em 230 municípios dos nove estados do Nordeste, além de Minas Gerais, divididos em 12 territórios, com uma população rural de 1,7 milhão de pessoas. O plano se junta a outras ações já executadas pelo ministério na região, como Programa de Aquisição de Alimentos – PAA, regularização fundiária, Selo Arte, promoção da irrigação, indicação geográfica, equivalência de sistemas de inspeção de produtos de origem animal (SISBI) e combate a doenças e pragas (febre aftosa, peste suína clássica e mosca das frutas).

O AGRONORDESTE é voltado para pequenos e médios produtores que já comercializam parte da produção, mas ainda encontram dificuldades para expandir o negócio e gerar mais renda e emprego na região onde vivem. Entre os objetivos do plano estão: aumentar a cobertura da assistência técnica, ampliar o acesso e diversificar mercados, promover e fortalecer a organização dos produtores, garantir segurança hídrica e desenvolver produtos com qualidade e valor agregado.

Liderado pelo MAPA, o AGRONORDESTE está sendo  desenvolvido em parceria com órgãos vinculados à pasta e instituições como Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA)/Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR),  o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), o Banco do Nordeste (BNB) e o Banco do Brasil.

O programa foi elaborado a partir do estudo das cadeias produtivas que têm relevância socioeconômica e potencial de crescimento na região, identificando os entraves para o seu desenvolvimento e as soluções possíveis. Os territórios foram definidos com base nessas cadeias produtivas e no nível de vulnerabilidade da área. Até 2021, o programa deverá chegar a 30 territórios