AGROPACTO VAI A QUIXADÁ E LANÇA PROGRAMA ATEG DO SENAR NO SERTÃO CENTRAL

Produtores, secretários de agricultura,  representantes de diversos órgãos e instituições,  Banco do Brasil, Banco do Nordeste, presidentes de Sindicatos Rurais de Quixadá, Quixeramobim, Ibaretama, Limoeiro do Norte, Mombaca e Banabuiú,  e lideres de diversos segmentos da agropecuária estiveram reunidos nesta terça-feira, 9, na cidade de Quixadá, no Sertão Central para a  reunião  do Pacto de Cooperação da Agropecuária Cearense- AGROPACTO,  onde ocorreu o lançamento do Programa de Assistência Técnica e Gerencial do SENAR- CE, naquela cidade na  atividade  de bovinocultura de leite. O coordenador do AGROPACTO  e Presidente da  Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará,-FAEC , Flávio Saboya destacou a importância do programa  ATeG “um programa inovador do SENAR  que está sendo implantado no Ceará este ano em 40 municípios beneficiando cerca de 800 produtores rurais,  mas que já teve seus primeiros passos em 2015, numa parceria com o Sebrae-CE, através do Programa Sertão Empreendedor.” ,disse Saboya.

A apresentação da metodologia  ATeG foi feita pelo superintendente do SENAR- CE, Sérgio Oliveira e,  segundo ele, 77% dos produtores brasileiros o que representa mais de 4 milhões de produtores rurais ainda não receberam nenhum tipo de assistência técnica e o SENAR foi credenciado pela ANATER a fazer esse trabalho. Oferecemos 4 horas de assistência por mês ao produtor e gratificamos os técnicos que apresentarem melhores resultados dentro do critério da meritocracia, disse Sergio Oliveira . Esse é um modelo inovador  onde o Sistema  CNA /SENAR, observou  que existem vários tipos de assistência técnica, mas sem o  gerenciamento da propriedade e  de forma gratuita. Para tanto, anunciou que além de estar trabalhando diretamente com os Sindicatos Rurais, está estabelecendo uma parceria com o Banco do Nordeste, para dar assistência ao Programa de  Desenvolvimento Territorial -PRODETER, que  está presente em vários  municípios do Estado.

O Presidente do SINRURAL   de Quixadá, Fausto Fernandes apresentou os produtores que irão  participar da assistência técnica todos voltados para a cadeia da  bovinocultura de leite. Aqui na região do sertão central iremos trabalhar  esta cadeia com Quixadá, Quixeramobim, Ibaretama e  Banabuiú. Fausto Fernandes acha que os  estabelecimentos de crédito devem aproveitar essa assistência técnica e gerencial do SENAR  e aliar-se ao trabalho, pois só assim poderão também acompanhar a aplicação dos recursos, evitando  futuras dívidas rurais.    .

 A Superintendente Federal do Ministério da Agricultura e Pecuária-MAPA, no Ceará, Maria Luiza Rufino,  disse que a ATeG tem uma diferença, se comparada aos serviços de assistência técnica que já existia, mas esta que o SENAR está oferecendo tem   um complemento com uma importância maior porque ela agora irá gerenciar a propriedade, fazendo-a crescer financeiramente e  o produtor ter uma visão de crescimento “

O  Diretor de agronegócio da ADECE, Amilcar Silveira, que é produtor rural em Quixadá e  em Ibaretama,  também presente no Agropacto ao lado do seu pai, que é  também produtor rural,  o ex-deputado estadual  Everardo Silveira, com 82 anos de idade,  destacou a importância do AGROPACTO ir ao encontro dos produtores e  levando esse novo programa de  assistência técnica. “É muito benéfico atender as necessidades do produtor. Como produtor,estou tentando lutar para que nossas propriedades  façam  negócios viáveis , e é isso que a ATeG vem conscientizando os produtores da nossa região. É um trabalho crucial, pois se não fizermos isso, vamos ficar estagnados nessas consequentes secas.”, disse Amilcar.

Objetivo da ATeG

Estabelecer e implantar um modelo de gestão e operação de assistência técnica continuados baseado no mérito aos produtores da classe “C” e “D/E” potencial, que englobe todos os processos da cadeia produtiva da propriedade – possibilitando a realização de ações efetivas, nas áreas econômica, social e ambiental, e os processos de gestão do negócio, visando proporcionar a sua evolução socioeconômica, da família e da comunidade.

Municípios a serem beneficiados com a Ateg e a cadeia produtiva

Amontada (Fruticultura), Aracoiaba (Fruticultura), Aurora (Apicultura), Banabuiú, Baturité (Fruticultura), Beberibe (Fruticultura), Canindé (Caprinocinocultura), Cascavel (Fruticultura), Caucaia (Avicultura), Cedro (Ovinocaprinocultura), Coreaú (Avicultura), Crateús (Caprinocinocultura), Crato (Bovinocultura), Granja (Caprinocinocultura), Horizonte (Fruticultura), Ibaretama (Bovinocultura), Iguatu (Apicultura), Independência (Caprinocinocultura), Itapipoca (Fruticultura), Jaguaretama(Bovinocultura), Jaguaribe (Bovinocultura), Lavras da Mangabeira (Caprinocinocultura), Limoeiro do Norte (Avicultura), Marco (Fruticultura), Mauriti (Apicultura), Milagres, Mombaça (Apicultura), Monsenhor Tabosa (Caprinocinocultura), Morada Nova (Bovinocultura), Moraújo (Fruticultura), Morrinhos (Fruticultura), Nova Russas (Caprinocinocultura), Piquet Carneiro (Bovinocultura), Quixadá (Bovinocultura), Quixeramobim (Bovinocultura), Russas, Senador (Bovinocultura), Tamboril (Caprinocinocultura), Trairi  (Fruticultura), Ubajara (Fruticultura) e Viçosa do Ceará

CNA e EMBRAPA PARTICIPAM DO AGROPACTO E APRESENTAM PROJETO BIOMAS e FORRAGEIRAS DO SEMIÀRIDO

A convite do Coordenador do Pacto de Cooperação da Agropecuária Cearense- AGROPACTO,  Flávio Saboya também participaram da reunião ocorrida na cidade de Quixadá,  o Secretário Executivo do Instituto CNA, André Sanches , a Coordenadora  Executiva  do Programa Biomas junto a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil-CNA , Claudia Mendes Magalhães, o coordenador geral do Programa  Biomas  junto à Embrapa , Alexandre Uhalm, e os técnicos  Rafael Tonucci, da Embrapa Caprinos e Diogo Denodi, Cooordenador do Biomas Caatinga  da Embrapa Semiárido  e ainda,  Ana Clara, Coordenadora Técnica do Programa Forrageiras no Semiárido.

Eles viram apresentar  aos produtores  e representantes do BNDES os dois programas de pesquisa – Biomas Caatinga e Forrageiras no Semiárido,  que estão sendo desenvolvidos no Estado do Ceará, no município de Ibaretama , a  28 km de Quixadá .   Em seguida fizeram uma visita a Fazenda Triunfo, em companhia do Presidente do Sindicato de Ibaretama, Carlos Bezerra Filho, que juntamente com a FAEC, que dão apoio logístico aos dois programas.  Para nós que fazemos o Sindicato de Ibaretama,  é muito gratificante ter dois projetos de pesquisa de grande envergadura  que vão oferecer novas alternativas aos nossos produtores. Temos lá também um projeto  de dessalinização com uso da energia solar, que pretendemos levar a ouros municípios,  informa  Carlos Bezerra.   O Presidente da FAEC, Flávio Saboya também acompanhou a comitiva.

 O projeto Biomas vem  sendo desenvolvido  desde 2013,  com vistas a pesquisas de árvores, para proteção, recuperação e  uso sustentável  nas  propriedades rurais e  o projeto Forrageiras do Semiárido,  desde 2017, que avalia o potencial produtivo e adaptação das plantas forrageiras às condições climáticas do semiárido, e conta também  com uma Unidade de Referencia Técnologica- URT, em Ibaretama-CE.

 Para André Sanches, Diretor-Executivo do Instituto CNA,  essa é uma  oportunidade de apresentar resultados preliminares sobre o projeto forrageiras. Um projeto que está no segundo ano em parceria com o SENAR e a

Embrapa e estamos testando em condições reais de uso experimentos para desenvolver a forrageira resistentes à seca. Vamos também aproveitar a presença da equipe do BNDES em visita ao Projeto Biomas para apresentarmos o Projeto Forrageiras, disse  André Sanches. Ele anunciou outro programa que a CNA lançou semana passada o  AGRI-Trace- Rastreabilidade Vegeta , que visa ajudar os produtores de frutas e hortaliças a atender as regras definidas pela Instrução Normativa Conjunta-ANVISA/DAS-MAPA- No 02.

Segundo Diogo Denadi, O Projeto  Biomas começou tendo em vista a nova legislação do Código Florestal que impõe que as propriedades rurais tenham  aproximadamente 20% da área com cobertura vegetal, preferencialmente nativa, chamada de reserva legal.  O Projeto Biomas têm contribuído com forma de estimular essa cobertura vegetal nativa e  como essa cobertura pode ser aproveitada como fonte de renda. “

Claudia Mendes, destacou a importância desta  nova  visita  ao projeto Biomas que é desenvolvido em Ibaretama .”Estamos na  companhia de um dos parceiros apoiadores, o BNDES para vermos os resultados já obtidos  e também traçarmos uma estratégia para as próximas ações. O projeto está na fase final e começou a ser desenvolvido em 2013 especificamente na Caatinga . Precisamos agora entender como podemos transferir os resultados positivos do projeto da pesquisa realizada para o produtor rural”, concluiu.

Abaixo Sonoras: