DNOCS EXPÕE SUAS AÇÕES NO AGROPACTO E ANUNCIA QUE ÓRGÃO VAI RECEBER 10 PERFURATRIZES PARA O CEARÁ

Angelo Guerra disse que os Projetos de Irrigação não dão prejuízo ao Governo e que o DNOCS é viável 

Reunião do AGROPACTOO Diretor do  Departamento Nacional de Obras Contra as Secas- DNOCS, engenheiro Angelo José Negreiros Guerra, anunciou hoje, 6, durante reunião do  Pacto de Cooperação da Agropecuária Cearense- AGROPACTO, promovido pela Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará- FAEC, que o DNOCS receberá em breve 10 máquinas  para perfuração de poços no  Ceará.Segundo ele, há uma demanda reprimida de mais de 4 mil pedidos,  três perfuratrizes chegarão em abril e o DNOCS vai tentar chegar perto das demandas. Ângelo Guerra,  falou  também sobre a importância do DNOCS  para o semiárido nordestino,”só existe um  semiárido com essa características  no mundo e  o pioneirismo do órgão em várias áreas com uma larga folha de serviços prestados desde construção de estradas, barragens, poços, ações em piscicultura.

Informou ainda que o DNOCS está ativo, construindo no momento a  barragem Fronteiras, em Crateús, com um  investimento de 294,4 milhões,estando  em estudo a barragem Barbosa, em Lavras da Mangabeira, que representa  um investimento da ordem de 1,2 milhão. O DNOCS está também recuperando a barragem do Castanhão, para fechamento da trinca,.

Segundo Angelo Guerra, hoje o grande problema é a conservação  das barragens já construídas há alguns anos , o que representa um investimento da ordem de 265 milhões, destas 23 estão  inseridas no Projeto, inclusive algumas que estão incluídas no Projeto de Transposição do São Francisco-PISF, como o Orós e  Castanhão, e as outras num total de 327 também precisam de uma  recuperação. Estamos trabalhando junto a ANA para que as demais barragens sejam incluídas e recuperadas, num total de 85 somente no Ceará.

Diretor Geral do DNOCS, Angelo GuerraPara surpresa de todos os presentes o Diretor Geral do DNOCS anunciou que os perímetros públicos de irrigação do DNOCS estão funcionando muito bem e não dão prejuízo à União.

São 37 projetos públicos de irrigação, sendo 14 no Ceará, com 124.167 hectares irrigados implantados, todos se mantém, não são deficitários, são viáveis, mas a tendência do Ministério da Integração  é  acabar com os  perímetros, reforçou, embora o objetivo em  2016, na época da seca  a renda bruta dos projetos foi de R$ 295.292.504,47  e no Ceará,  R$189.085,44,  e o que  se arrecadou de imposto foi R$50 milhões,m que se pagou de contrapartida para o Distrito de Irrigação, foi R$ 5 milhões, restando um saldo positivo  para os cofres do governo de  R$45 milhões. No Ceará dois projetos estão em implantação a ser concluídos: Baixo Acaraú e Araras Norte.

Com relação às adutoras, informou que o Órgão tem 105,4 km de adutoras já implantadas no Ceará somente em 2017, com 51,1 mil pessoas beneficiadas e que está em implantação 154,8 km de adutoras em  Catarina, Iracema, Limoeiro do Norte, Tabuleiro do Norte e Pereiro.

Com relação a Piscicultura, tem  uma capacidade de produção de 60 milhões/ano hoje não produz 3 milhões este ano contará com uma injeção de recursos da ordem de 7 milhões assegurados.

Ele também mostrou que o velho  Departamento  com 108 anos de existência continua sendo alvo  de  extinção , continua marginalizado, apesar de sua experiência,, está proibido inclusive  de falar em transposição do Rio São Francisco, embora  tenha  feito o primeiro estudo através do engenheiro Arrojado Lisboa. Conforme disse, 80 por cento do efetivo de funcionários do DNOCS está prestes a se aposentar e que tramita no Ministério a cessão de alguns servidores de outros órgãos para o DNOCS.

 

FUTURO DO DNOCS

Encerrou sua exposição mostrando o futuro do DNOCS, que vai continuar construindo açudes, perfurando poços e fazendo adutoras, mas está  propondo  desenvolver uma  parceria com o Ministério da Integração para viabilizar a implantação de Unidades de Recuperação de Áreas Degradadas, e habilitação junto ao Ministério da Integração, para ser operador do  PISF-Programa de Integração da Bacia do São Francisco.

O presidente da FAEC, Flávio Sabóia, abriu o Agropacto, ressaltando a importância do DNOCS como um patrimônio do Semiárido “todos nós devemos defender este órgão que  tantos serviços tem prestado ao Nordeste”, disse.  Ele sugeriu a participação do DNOCS no 8o Fórum Mundial das Águas, que será realizado em Brasília, de 18 a 23 de março.

 

 

SECRETÁRIO DA SDA CONVIDA PARA ENCONTRO

O Secretário de Desenvolvimento Agrário -SDA, Dedé  Teixeira, participou da abertura do Agropacto. Veio fazer o convite para a FAEC e demais instituições presentes participarem no dia 23 de março, do 10o Fórum dos Secretários de Agricultura do  Nordeste e Minas Gerais,  que será realizado em Fortaleza, no hotel Oásis  atlântico, para discussão do  Semiárido, com a presença do IICA, bancos , órgãos  de assistência  técnica, e o FIDA. Na ocasião, ele anunciou que será lançada uma publicação sobre a tipificação  das regiões brasileiras, incluindo o rural, que hoje já  engloba  36% da área do país , ao contrário do que se diz  que é só 16%. Será lançado também um livro observatório sobre a agricultura também A propósito do convite  do secretário, o  presidente da FAEC,Flávio Saboya  informou  que o Ministério da Agricultura credenciou o SENAR como órgão de assistência  técnica.

 

DEBATES

Durante os debates  diversos presidentes  de sindicatos de produtores rurais fizeram suas colocações e todos  solicitaram a renovação das concessões para  os produtores que já utilizam  as áreas de vazantes dos açudes públicos do DNOCS, como os  presidentes  dos  sindicato de   de Morada Nova, Eduardo Junior,  de Sobral, Reginaldo Rocha Filho, de Quixadá, Fausto Nobre, de Ibaretama, Carlos Bezerra, de Jaguaretama, Expedito Diógenes.  Eduardo Júnior, do Sinrural de Morada Nova disse ser  solidário ao DNOCS e reforçou o pedido de uma área  para construção de sede do Sinrural e formalizar a implantação de um Centro de Tecnologia Animal.

O ex-diretor do DNOCS, Cassio Borges, hoje com 84 anos, sugeriu a retomada da construção dos pequenos açudes em parceria com os proprietários rurais, que hoje se chama parceria público privada. Ele destacou também que o DNOCS é considerado uma grande universidade do Nordeste. “Nunca perdi a esperança que o DNOCS seja reconhecido e revitalizado, destacando o compromisso do atual Diretor Angelo Guerra e o apoio que tem recebido  do presidente da FAEC. O engenheiro agrônomo aposentado do DNOCS,  Evandro Bezerra pediu ao diretor do DNOCS que implantasse o programa de desertificação elaborado por ele a muitos anos.

O presidente do Sinrural de  Ibaretama, Carlos Bezerra Filho  destacou  a atuação do DNOCS  e o respeito que deveria ter para com este órgão que  tem 109 anos de existência e informou que a CNA e a Embrapa Floresta está desenvolvendo desde 2012 um trabalho de pesquisa com o bioma caatinga, na Fazenda Triunfo, em Ibaretama, resgatando a pesquisa com várias plantas nativas e exóticas. Lá foi instalada também um poço profundo movido a energia solar e com um dessalinizador. O presidente da FAEC sugeriu que o DNOCS se apropriasse dessas tecnologias e usasse nas unidades de recuperação de áreas degradadas propostas pelo DNOCS .

A renegociação  das dívidas rurais dos perímetros irrigados também foi questionada pelos servidores do DNOCS.

Estiveram presentes também o  presidente da Associação  dos Servidores do DNOCS- Assecas , Aloísio Bastos Pereira e o assessor  Geraldo Costa , o procurador Roberto Morse,  servidor Joacir Moreira,  o  Presidente da Associação dos Engenheiros Agrônomos, José Flávio Barreto,  representante do Sebrae, Paulo Jorge  ,  o  ex-prefeito de Jaguaretama , Francis Jaime, vereadores de Jaguaribe, entre outros.Eles vieram solicitar do DNOCS  uma maior fiscalização nas áreas permissionárias do DNOCS na região de Jaguaribara.

Ações no DNOCS voltadas para a área rural

Criado em 1909-108 anos de existência. atuação  do DNOCS  está delimitada no semiárido nordestino e possui 9 coordenadorias, incluindo o norte de Minas Gerais. E a Instituição i que ainda está em todo o interior do Semiårido,  com várias unidades de pesquisa e 27 projetos públicos  de irrigação , 12 estações de piscicultura 1 centro de pesquisa e aquicultura . Passou por nova delimitação no semiárido para áreas suscetíveis à desertificação, que aumentou consideravelmente no estado do Maranhão. No  Ceará  já construiu  85  barragens  no Ceará, com 15,6  bilhões de acumulação  ,sendo  66 monitoradas e com uma  capacidade de acumulação total de: 18,6 bilhões de m3  .A Acumulação atual dados de fev/2018 ) é de 966,6 milhões de m3(6,20%) . Estas barragens estão  espalhados por 11 bacias hidrográficas do Ceará.

Contatos:

Angelo José Negreiros Guerra

angelo.guerra@dnocs.gov.br

85-3391-5206